(19) 330VER TELEFONE

(19) 996VER WHATSAPP

R. Cristiano Cleopath, 523 • Centro | Piracicaba/SP

Notícias

11 de março de 2021 | Por Web Visualy

Saiba o que analisar ao comprar um aquecedor a gás para sua casa

Saiba o que analisar ao comprar um aquecedor a gás para sua casa

Comprar um aquecedor a gás para a residência é algo que merece atenção especial. Antes de tudo, é necessário “colocar na ponta do lápis” todos os critérios que apontam para um equipamento de qualidade. Em seguida, deve ser realizada uma pesquisa para encontrar esse tipo de aquecedor e um fornecedor confiável. Parece uma tarefa difícil? Sem dúvida, exigirá um pouco de trabalho.

No entanto, para facilitar, decidimos produzir este artigo. Abordaremos como escolher o melhor aquecedor a gás e por que é importante pensar seriamente em realizar essa compra. Daremos ainda uma dica de um excelente fornecedor. Acompanhe os próximos tópicos!

Por que escolher um aquecedor de água a gás?

Geralmente, quando optamos por comprar um aquecedor a gás, pensamos no conforto, na economia e na segurança que ele proporcionará para a nossa família. Seria uma grande frustração investir capital em um equipamento que não suprisse essas necessidades, concorda? Por isso, essa escolha deve ser bem criteriosa.

Quando o consumidor acerta na decisão, os benefícios compensam qualquer investimento feito. Afinal, é muito agradável ter a água na temperatura ideal para relaxar nos dias mais frios do ano. Outra vantagem é obter um banho digno de um hotel cinco estrelas, mas com economia de energia elétrica. Com certeza, vale a pena ter um aquecedor a gás.

Como escolher o melhor aquecedor a gás?

Muitos se questionam sobre os critérios que devem ser levados em consideração na hora de comprar um aquecedor a gás. Essa preocupação é muito sábia. A seguir, elencaremos os principais fatores a analisar.

Identifique o tipo

É importante começar o processo de compra pelo tipo de aquecedor a gás. No mercado, os equipamentos são divididos por categorias. A primeira inclui os aquecedores de acumulação, que aquecem e armazenam a água quente em um reservatório à espera do consumo.

Um segundo tipo são os aquecedores instantâneos, que, como o nome já revela, esquentam a água somente no momento em que um ponto de consumo é aberto. Esse último grupo de equipamentos é qualificado em:

  • mecânicos: também conhecidos como “chama fixa”. Uma vez ajustada a intensidade da chama, a temperatura permanece a mesma, não importa a quantidade de água que passe pelo aquecedor;
  • digitais: têm um sistema eletrônico de modulação de chama. Assim, a temperatura desejada permanece mesmo que sejam abertos vários pontos de saída de água. Além disso, há um recurso que dosa o consumo de gás de acordo com a necessidade, gerando eficiência energética.

Existe ainda outro critério que impacta o tipo de aquecedores a gás: a exaustão — processo que expele para fora da residência os gases resultantes do processo de aquecimento. A exaustão pode ser dividida em:

  • natural: utilizada somente em aquecedores mecânicos. Não é necessário o uso de energia elétrica. É recomendada para edificações baixas, e os requisitos para a instalação, de acordo com a norma, são um pouco mais rigorosos;
  • forçada: comum nos aquecedores digitais. Por meio de uma ventoinha interna, o equipamento empurra os gases para fora com a energia vinda da eletricidade. Esses aparelhos são ideias para edificações altas, como apartamentos localizados em andares superiores;
  • fluxo balanceado, também chamado de câmara estanque ou circuito fechado: esses aparelhos podem ou não utilizar a ventoinha para a expulsão dos gases, mas seu diferencial é não utilizar oxigênio do ambiente para o processo de combustão. Por isso, são por norma os únicos aparelhos que podem ser instalados em certos ambientes, como dentro do banheiro.

Identifique o tipo de gás

Existem aquecedores que funcionam com gás liquefeito de petróleo (GLP) ou com gás natural (GN). Contudo, o aparelho escolhido deve ser selecionado para o gás disponibilizado no imóvel.

Para evitar erros, devoluções de produtos ou problemas graves de funcionamento, é importante identificar corretamente o tipo de gás disponível. Além disso, deve-se comprar o aquecedor adequado para o tipo de gás conforme a etiqueta de identificação do aparelho.

Também é importante que o aparelho esteja adequado à estrutura de fornecimento de gás. São comuns ocorrências em que o aquecedor não consegue atingir a potência plena ou apresenta códigos de erros relacionados ao fornecimento de gás.

Muitas vezes, a origem desse problema é identificada, por exemplo, na tubulação, nos medidores de gás ou nos reguladores de pressão subdimensionados para o uso com aquecedores a gás.

Outro tipo de instalação inadequada acontece nos aquecedores GLP alimentados por um único botijão tipo P13. Visto que, normalmente, eles não têm uma capacidade de vaporização de gás suficiente para a alimentação do aquecedor.

Analise a capacidade

A capacidade ou potência do aquecedor a gás é um aspecto importante a ser analisado. No geral, os equipamentos se diferenciam por meio das suas potências. Assim, os aquecedores menores são destinados a atender somente um ponto de consumo, já os maiores podem dar conta de várias saídas de água de alta vazão.

Por exemplo, existem aquecedores que podem fornecer 7 litros por minuto de água aquecida, enquanto outros chegam a 47,5 litros. O melhor modo de descobrir a capacidade de um equipamento é conferindo a sua etiqueta, o manual ou o site do fabricante. Para entendermos como funciona na prática o critério de capacidade, daremos um exemplo.

Um aquecedor de 12 litros por minuto pode ser o suficiente para suprir a necessidade de um imóvel com 5 banheiros, tendo 1 ducha em cada um deles — se essas duchas tiverem vazão de, no máximo, 12 litros por minuto. Porém, esse mesmo aparelho não atenderá a vazão simultânea de todos esses pontos de saída. Então, como descobrir qual capacidade é a ideal para esse imóvel?

Basta somar a vazão dessas cinco duchas, que fica em 60 litros. Vale lembrar que nesse cálculo devem entrar os outros pontos de saída, como as torneiras. Além disso, a capacidade do aquecedor deve ser adequada ao clima da região.

A medição padrão do aparelho considera um incremento de temperatura de 20º, que é uma média adequada quando pensamos no Brasil. No entanto, em algumas regiões mais frias, a necessidade pode ser maior.

Nesses locais, é sempre bom pensar em um aquecedor com 10 a 20% de capacidade a mais do que esse cálculo simples, que é uma referência. É possível calcular com mais precisão utilizando os dados de potência do aparelho ou consultar um dimensionador.

Não existe no mercado um único aquecedor instantâneo com essa capacidade de vazão, mas é possível ter um projeto de sistemas utilizando mais de um aparelho, reservatório térmico ou uma combinação de fatores para atender a demanda.

Verifique a segurança

A questão da segurança preocupa muito as pessoas, afinal, o aquecedor usa gás e combustível para alimentar uma chama. Embora seja compreensível esse receio, saiba que os aparelhos de até 70 KW vendidos no mercado precisam passar por um rigoroso processo de certificação.

Após a aprovação, eles recebem a Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (ENCE), concedida pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). O ponto mais crítico em relação à segurança desses aparelhos é na verdade o seu entorno, refletido na instalação adequada e em um ambiente apropriado para tal.

Para uma utilização segura, o aquecedor a gás precisa ser instalado de acordo com a Norma Técnica (NBR) 13103, que contém as regras da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Fonte: https://conteudos.rinnai.com.br/o-que-considerar-ao-comprar-aquecedor-a-gas/

Notícias relacionadas